sábado, 18 de fevereiro de 2017

Japão 2

A minha filha Ana tem um amigo japonês que nos deu algumas dicas sobre restaurantes em Tóquio.
Ao almoço no Nagi comemos "ramen", uma massa larga numa sopa com carne de porco e peixe seco, num restaurante minúsculo onde se pagava numa maquineta à entrada antes de comer.
Difícil caber lá dentro, e ainda mais comer e desenhar...
 
Ao jantar no Heihachi comemos enguia, que estava maravilhosa. Não falavam inglês, mas gostaram de ver os desenhos, e escreveram em japonês o nome dos pratos.
 
Entre refeições passeámos pela cidade, pela qual me fui apaixonando. O tempo estava frio mas com um sol lindo a dar ainda mais brilho ao que íamos descobrindo. Mas, como não se pode ter tudo, acabei por não desenhar...
 
 




sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Japão 1


O Japão era um destino há muito tempo desejado. Finalmente surgiu uma oportunidade (ou uma desculpa...) para ir a Tóquio. O Guia, um auxiliar precioso nas decisões do programa das festas!
 
O primeiro voo foi Lisboa-Frankfurt, onde fizemos escala antes do voo de 12 horas até à capital japonesa. Desta vez não conhecia nenhum dos pilotos... foi pena... mas também não pode ser sempre...
 

 
 


A Catarina passou grande parte da viagem a estudar o plano de viagem (coisa que já deveria ter feito antes...)
Chegámos a Tóquio à hora de almoço do dia seguinte (9 horas de diferença horária com Lisboa).
O nosso hotel localizava-se em Ginza, a zona de comércio e luxo da cidade. Depois de umas voltas de reconhecimento com a Sachico, a nossa amiga japonesa, jantámos no Zauo, um restaurante onde primeiro se pescava o peixe que iríamos comer.
Optei por pescar uma lagostinha... Muito giro e muito bom!


quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Quando a Chef assina: Obrigada mãe!

No Torel Palace em Lisboa, o restaurante Cave 23 continua a fazer o seu caminho.
À frente da cozinha está a Ana Moura, a minha filha mais velha. Visitamos o restaurante assiduamente para ir provando, apreciando, e algumas vezes desenhando, como foi o caso nesta quinta-feira de quase final de ano com um casal amigo.
Uma sinfonia de cores, formas, sabores, para os olhos, para o paladar. Um momento de prazer a triplicar: pela comida, pelo desenho, pela Ana!
 
Aproveito agora, junto com os desenhos, para fazer eu também a minha dedicatória:
Querida Ana
Bom 2017 cheio de sucesso, mas que sobretudo sejas muito feliz! 
Um grande beijinho
mãe
 

 







quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

a desenhar no cockpit do avião

Há dias que correm mesmo bem...
 
Durante os quatro dias na Holanda (em trabalho, mas com alguns momentos de lazer), dormimos sempre em cidades  diferentes: Roterdão, Leiden e Amesterdão.
Muito giras as diferenças entre cada uma: a primeira tem uma arquitectura moderna, pois foi quase toda destruída durante a segunda grande guerra e reconstruída posteriormente. Leiden, uma cidade mais pequena mas completamente preservada, onde inaugurei há dois anos uma ourivesaria com projecto meu. Amesterdão, que afinal é muito bonita (eu que dizia que não gostava...) e tem locais giros e gente gira. Também tem muito turista "javardo", como eu lhes chamo, mas não lhes dei importância desta vez.
 
Depois de uma manhã calmamente a "curtir" o Rijksmuseum, um museu maravilhoso com obras fantásticas, o regresso a Lisboa.
Nada de novo até aqui, a não ser que acabei por fazer a viagem no cockpit do avião, a desenhar e a conversar, e aterrei numa Lisboa iluminada pelo luar!
 
Tão simpáticos o Comandante João Palácio, que já era meu conhecido, e o co-piloto César Pereira, bem como a restante tripulação. Aprendi algumas coisas mas, e sobretudo, diverti-me imenso!
 
 



No Cais das Colunas

 
Um dia de sol aconchegante, um Cais das Colunas cheio de turistas que, como eu, captavam aquele momento, focavam o seu interesse na paisagem, na beleza dos monumentos envolventes.
À conversa com a Teresa Ruivo e também com uma turista francesa que por duas vezes se colou a nós!
Da segunda vez ela perguntou: Je vous dérange? ao que eu respondi que a mim não, mas que à minha amiga sim... Felizmente tinha o avião à uma hora e lá descolou...
Entretanto uns turistas atolaram-se no lodo, mas nós só já os vimos quando tinham sido salvos.
Muita coisa a acontecer ali mesmo ao lado e nós na nossa , a saborear mais uma óptima manhã de convívio e desenho!
 
 
 

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

No Martim Moniz a olhar o castelo

 
Um fim de dia menos apressado que os outros, uma paragem para desenhar porque é isso mesmo que eu gosto, porque é isso mesmo que me faz bem!
 

 

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Vamos desenhar com... Luís Frasco

 
As ruínas do Convento são Carmo são realmente um espaço fantástico para desenhar. Então com a companhia de outros sketchers e depois de uma apresentação do Luís Frasco, melhor ainda!
 
O tema lançado para desenhar foi: O detalhe, o todo, as palavras, a composição. 
 
Venham mais "Vamos Desenhar com.."!
 

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

a desenhar com Inma Serrano e Miguel Herranz

 
Desenhos feitos no Workshop da Inma Serrano e do Miguel Herranz na casa Atelier Vieira da Silva.
 
Primeiro uma passagem na forma de desenhar de cada um deles durante a apresentação. Depois, no Jardim das Amoreiras, fomos desenhar troços, de pessoas, de objectos: uma composição, uma forma de contar uma história...Os meus desenhos. nada de especial, mas no final mais uma manhã muito bem passada e mais coisas que entraram!
 



quinta-feira, 17 de novembro de 2016

em Madrid, na Plaza Mayor

Há histórias que são nossas e há outras, que não nossas, mas que interiorizamos, das quais nos apropriamos, e que passam a ser nossas também.
 
Em Madrid, após dois dias de chuva, finalmente o sol mesmo antes de regressar a Lisboa.
 
Fico sempre muito indecisa, onde parar, onde concentrar a minha energia e desenhar.
 
Lembrei-me das histórias do Nelson quando deu aulas de desenho aos reclusos na prisão, e que um deles lhe pediu para desenhar a Plaza Mayor. É mesmo aí que me apetece ir!
 
A Plaza Mayor é um dos centros energéticos da cidade, ponto de passagem e confluência de pessoas. Espanhóis, estrangeiros de todas as nacionalidades, vigaristas também de toda a espécie e feitio.
 
Enquanto o meu marido se deliciava a ver um desses vigaristas/mágicos, eu desenhei a parte estática e calma daquele local: a estátua equestre do Filipe III, impávido e sereno com tudo o que se passava à sua volta e um dos píncaros do edifício central da praça, a querer furar o céu!
 
E desenhar é isso mesmo, é contar sempre a nossa história, é o "aqui e agora"!
 





quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Paris em dois momentos

 
Dado que foi uma viagem de trabalho, só deu mesmo para dois desenhos, que foram feitos para reduzir a frustração de estar em Paris e não poder desenhar:
 
A almoçar no dia da chegada (o senhor do restaurante adorou, tirou fotografias do meu desenho)...
 


e junto ao rio Sena a olhar a icónica Torre Eiffel, antes de regressar a Lisboa, com os vendedores dos "selfies sticks" à minha volta...



terça-feira, 15 de novembro de 2016

Rota das Estrelas em Amarante

 
Amadeo de Souza Cardoso foi o tema de um jantar da Rota das Estrelas, que decorreu nas salas do museu com o seu nome em Amarante, cidade que o viu nascer.
Sete Chefs foram buscar inspiração em quadros do pintor, para criarem uma estética que, aliada aos sabores, proporcionou um jantar memorável. Até porque, no meio desses Chefs... estava a minha filha Ana! O prato dela interpretava o quadro "O parto da Viola", o quinto a contar do início na refeição. So proud!!
 

 









Fim-de-semana em Amarante

 
Amarante é uma bonita cidade banhada pelo rio Tâmega. Aproveitando o fim-de-semana por ali, o meu dia de sábado foi passado junto ao leito do rio, a beber a tranquilidade que a paisagem me transmitia. Os reflexos espelhados na água, as pessoas, os sons. As badaladas na Igreja iam-me fazendo ver que o tempo que parecia não passar e que eu queria que não passasse, caminhava também ele calmamente, mudando das luzes para as sombras, numa beleza que guardo na memória que este desenho me desperta. 
 
 

 


Domingo: "Não quero ir embora, quero ficar aqui, quero que o tempo páre!"




Junto à Igreja e Convento de São Gonçalo, uma panorâmica de quase 360º...




 

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

a jantar no La Bien Aparecida

 
La Bien Aparecida é um dos restaurantes de moda em Madrid, no centro perto da Calle Serrano. Como tínhamos que deixar a mesa às 10 em ponto para o segundo serviço, estavam mais preocupados nisso do que em ser simpáticos! Mas foi agradável, desenhei o ambiente, não me apeteceu desenhar a comida... Até já me esqueci do que foi...
 
 

 

ainda no Botilleria y Fogón Sacha

 
O ambiente... A comida é fantástica, um restaurante a não perder em Madrid, mesmo!
 

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Desenhar com... Fernanda Lamelas


No passado dia 15 de Outubro coube-me a mim conduzir a primeira sessão do "Vamos desenhar com...", onde irão participar vários sketchers ao longo dos meses.

Fiz primeiro uma apresentação aos cerca de 20 participantes, onde mostrei desenhos, a evolução da minha forma de desenhar, o que me tem influenciado ao longo destes 5 anos de Urban Sketcher, o que me move.

Depois fomos desenhar. O tema que lancei foi "as partes fazem o todo".

Obrigada a todos os que participaram, foi mesmo muito bom!!











a jantar no Botelleria y Fogón Sacha

Estive no fim-de-semana passado em Madrid a comemorar o meu aniversário. Não deu para andar a desenhar na rua porque estava frio e chuva. Deu para passear pelas lojas e para experimentar novos restaurantes. Este que não conhecia ainda entrou para o Top 5! Botilleria y Fogón Sacha!
Na cozinha está o Pol, amigo da minha filha Ana, e que é sobrinho do dono, o Sacha, que não estava nesse dia.
Um menu degustação que o Pol preparou para nós: Tudo de comer e chorar por mais!
 

 









quinta-feira, 13 de outubro de 2016

a almoçar no Esporão

 
A almoçar no restaurante do Esporão, que tem à frente da cozinha o Chef Pedro Pena Bastos.
Tudo delicioso, o único senão foi o facto de ser no último dia de férias...
 
 






segunda-feira, 10 de outubro de 2016

a desenhar no Porto

 
Um óptimo fim-de-semana, alguns desenhos, não tantos como gostaria, mas eu sou muito lenta e gosto muito de conversar!
 
Mas como quem dá o que tem a mais não é obrigado, aqui vão eles!
 
 






















quinta-feira, 6 de outubro de 2016

por mares nunca dantes navegados...


ou por riscos nunca dantes experimentados... porque às vezes (muitas vezes) me apetece fazer outras (muitas) coisas...
Inspirada no trabalho maravilhoso da Pat Southern-Pearce e no mar de Porto Covo, um desenho, um momento de paz ao fim do dia... De paz ou de inquietação, porque desenhar é mesmo isso, uma busca, uma procura, um desassossego.


Bloco de papel Clairefontaine, lápis e caneta de aparo.

submarinos e fragatas no Alfeite

 
Cadernos debaixo de água, era o nome do encontro UskP no Alfeite, mas virou iPhone debaixo de água, como disse e bem a Teresa Ruivo! Passo a explicar:
 
Coube-me a mim a organização deste encontro, que seria num sábado de manhã. Sexta à noite, véspera, com toda a gente com o meu contacto de telefone para o outro dia, o meu telemóvel resolveu dar um mergulho...na sanita!
Nem dois segundos levei a tirá-lo lá de dentro, e após o dia inteiro desligado resolveu ressuscitar!
 
Afinal a história acabou bem, assim como o encontro! Fiz alguns desenhos, os possíveis no meio de todo o stress para que tudo corresse bem, associado ao incidente anteriormente relatado...
 
Enquanto os grupos iam entrando e desenhando o submarino, desenhei o Bérrio, que é um navio de carga.
 
 




Dentro do Arpão. O interior de um  submarino é impressionante, apetece desenhar aquelas "entranhas" todas! Foquei-me num detalhe das válvulas, e mais tarde, já no deck da fragata Vasco da Gama, completei a dupla página.




Na ponte da fragata Vasco da Gama a olhar a linha do horizonte, que não está assim muito horizontal (eu sei que sou muito picuinhas...)

Faz-me lembrar uma velha história de um arquitecto com quem trabalhei e que um dia numa obra discutia com o empriteiro e dizia que uma banheira tinha sido mal colocada porque o bordo superior não estava na horizontal. Para tirar as teimas, encheram a banheira de água e a superfície da água realmente não estava paralela ao bordo. Resposta do empreiteiro: Ah, a água é que está torta!...

Por isso aplicado aqui, o horizonte naquele dia estava um bocadinho torto...